facebook-icon facebook-icon instagram-icon instagram-icon

Prepare o seu corpo para engravidar

Prepare o corpo para engravidar

Preparar o organismo e melhorar o estilo de vida é essencial para que a gestação aconteça e corra como desejado. Eis os cuidados que deverá ter ainda antes de engravidar.

  • PorFátima Lopes CardosoJornalista

Se decidiu seguir o seu relógio biológico e engravidar, é importante preparar o seu organismo com meses de antecedência, até como forma de “afinar” a fertilidade. Mas também para que ele se possa adaptar de forma saudável às transformações fisiológicas, anatómicas e funcionais que uma gestação exige. Fazê-lo significará também defender a saúde do bebé. Vários estudos científicos têm demonstrado que uma dieta saudável e praticar exercício físico moderado antes e durante a gravidez tem influência na saúde do recém-nascido a longo prazo. Além disso, garante o bom desenvolvimento do bebé no útero materno.

O médico ginecologista e obstetra Alexandre Lourenço sublinha, neste artigo, o impacto dos hábitos de vida na fertilidade e gravidez, indicando os principais cuidados a ter até à conceção. Nada de complicado, mas muito importante para si e para o bebé que tanto deseja.

1 ano antes: Vá ao médico

Quando se pensa em como engravidar, raramente se tem em conta os exames que devem ser feitos antes de tal acontecer. Como explica Alexandre Lourenço à Revista Prevenir, «antes de engravidar, uma mulher saudável deve fazer um exame ginecológico e uma citologia de Papanicolau. Este exame deve ser realizado no ano anterior à gravidez. Até porque não deve ser feito na gestação, pois há pequenas alterações que reduzem a fiabilidade dos resultados. Ainda assim, se não o fez, deve concretizá-lo no primeiro trimestre.

Se a citologia identificar patologia maligna no colo do útero ou lesões graves, será necessário fazer um tratamento curativo. Este não é realizado na gravidez, pois a gestação ficaria em risco. Se houver lesão do colo do útero, deve ser tratada e só depois a mulher poderá engravidar. No caso das lesões benignas, o tratamento é rápido e ao fim de dois ou três meses, a mulher pode engravidar. Se a lesão envolver algum risco e implicar cisão cirúrgica, a mulher terá de esperar, pelo menos, seis meses» até engravidar.

Abrande os níveis de stresse e não fique obcecada com a ideia de engravidar

Manter-se serena neste processo ajuda, e muito, a ter sucesso. A pressão do dia a dia e a tensão provocada pelo receio de não conseguir engravidar afetam mesmo a fertilidade do casal. «As situações de tensão, que provocam uma grande libertação de catecolaminas, como a adrenalina, devem ser evitadas, pois interferem na produção das hormonas implicadas na ovulação. Cerca de metade dos casais demora até seis meses a engravidar e 80 por cento demora quase um ano. Em casais ansiosos, é frequente a gravidez surgir após um período de férias, em que os dois estão mais descontraídos e têm maior predisposição para ter relações sexuais», confirma Alexandre Lourenço.

6 meses antes: Prepare-se para ter um peso saudável

A adoção de hábitos saudáveis pode fazer a diferença entre conseguir ou não engravidar. Sabe-se, por exemplo, que 12 por cento dos casos de infertilidade estão associados ao facto de a mulher ter peso a mais ou a menos. Uma alimentação que garanta níveis adequados de proteínas, gorduras saudáveis, hidratos de carbono, vitaminas e minerais é determinante antes e durante a gravidez.

«Cerca de metade dos casais demora até seis meses a engravidar e 80 por cento demora quase um ano»

«É recomendável comer quatro a seis vezes por dia, sem exagerar nos doces, gorduras ou salgados», sugere Alexandre Lourenço. Se precisa de perder ou ganhar peso antes de engravidar, fale com o seu médico e/ou com um especialista em nutrição. Deve fazê-lo de forma saudável, sem recorrer a dietas desequilibradas.

Reforce a ingestão de fontes de cálcio

Alexandre Lourenço aconselha «as futuras mães a comer vegetais, beber leite ou iogurtes, porque durante a gestação, é necessário reforçar o consumo de cálcio para o bom desenvolvimento do feto. Não é preciso tomar suplementos de cálcio, mas, sim, ter uma alimentação que inclua alguns derivados de leite».

Limite o café e elimine o álcool

O consumo excessivo de cafeína e de álcool contribui para a redução da fertilidade. Mas como engravidar se não passa sem o seu café? Segundo o especialista, bebê-lo é «permitido, mas apenas até dois cafés por dia». Já o consumo de bebidas alcoólicas é desaconselhado.

Além do impacto na fertilidade, «a ingestão diária de álcool está estatisticamente relacionada com bebés um pouco mais pequenos, por isso, deve evitar-se o seu consumo regular. Apenas é aceitável em situações festivas e em quantidades insignificantes».

Trabalhe a elasticidade corporal

É muito importante praticar «exercícios regulares para que a elasticidade dos músculos seja mais adequada e se evite o excesso de peso durante gravidez. A mulher não deve engordar mais de oito a 11 kg na gestação, dependendo do peso inicial. Se já tiver excesso de peso ou for obesa, deve pelo menos tentar não aumentar o peso. É recomendável começar a praticar exercício físico, pelo menos, seis meses antes de engravidar», indica Alexandre Lourenço à Revista Prevenir. Ginástica, caminhada e natação são boas opções que, caso não haja indicação médica contrária, poderá, depois, manter durante a gravidez.

3 meses antes: Interrompa a contraceção

«Dependendo do método, a contraceção deve ser interrompida cerca de dois a três meses antes» de se tentar engravidar, explica Alexandre Lourenço à Revista Prevenir. Segundo o especialista, «a toma da pílula deve cessar dois a três meses antes da gravidez para percebermos se existe ou não, pelo menos, uma ou duas menstruações regulares. Os dispositivos intrauterinos têm de ser retirados cerca de um mês antes».

Identifique o seu período fértil

Para saber em que dias está a ovular, deve começar por apurar qual é a duração do seu ciclo menstrual. Para isso, ao longo de alguns meses, anote quantos dias passaram entre o primeiro dia do início de uma menstruação e o início da seguinte. Subtraia 18 dias ao ciclo mais curto e 11 dias ao ciclo mais longo. O resultado traduz o seu período fértil. Se esteve a tomar a pílula, vai precisar de, pelo menos, dois meses sem contraceção para identificar o seu período fértil.


«Se, antes de tomar a pílula, os ciclos eram irregulares, é possível que continuem a sê-lo. Neste caso, vale a pena interromper a toma três ou quatro meses antes», aconselha Alexandre Lourenço. Se os ciclos forem muito espaçados, a probabilidade de engravidar diminui. «Uma mulher que menstrua de dois em dois meses, num ano, pode ter apenas seis ovulações em vez de 12. Se os ciclos são muito irregulares, tem ainda o inconveniente de não saber o dia em que está a ovular». O facto de «as relações sexuais serem frequentes, de dois ou de três em três dias», ajuda a acertar no dia da ovulação.

Pare de fumar

Fumar durante a gravidez está, segundo Alexandre Lourenço, fora de questão, sendo indicado deixar de o fazer, no mínimo, três meses antes de se tentar engravidar. Os químicos do cigarro afetam a fertilidade, aumentam o risco de aborto espontâneo e gravidez ectópica.

«Se, antes de tomar a pílula, os ciclos eram irregulares, é possível que continuem a sê-lo. Neste caso, vale a pena interromper a toma três ou quatro meses antes»

«Bebés de mães fumadoras são mais pequenos, com variações da irrigação da placenta. Quanto mais as mães fumam, maior é o risco de terem bebés com problemas graves. É o caso das placentas pequenas que não irrigam bem o bebé, podendo provocar partos pré-termo, bebés que nascem prematuros e mais pequenos. Os estudos também têm indiciado alguma sugestão da diminuição do tamanho do cérebro e das capacidades cognitivas», refere.

Tome ácido fólico

A prescrição de suplementação funciona, na maior parte dos casos, apenas como medida preventiva, uma vez que a alimentação equilibrada tende a ser suficiente para uma gravidez saudável. «O ácido fólico é o único suplemento recomendado até agora antes da gravidez. Há 30 anos, como não existiam ainda ecografias, a suplementação com ácido fólico era muito importante para evitar os defeitos do tubo neural, com a espinha bífida e a hidrocefalia, que são doenças pouco frequentes em Portugal. Hoje em dia, com os rastreios ecográficos, conseguimos detetar a doença numa fase precoce da gravidez. No entanto, por não ter qualquer efeito secundário, é recomendado três meses antes da conceção. A própria alimentação de hoje já é enriquecida com suplementos de ácido fólico, como acontece com o leite, os cereais, entre outros. A sua administração mantém-se durante toda a gravidez», conclui.


Como engravidar se está a tomar medicamentos

– Se é doente crónica
«Deve contactar um ginecologista ou obstetra para perceber se a doença interfere com a gravidez ou se esta interfere com a doença. Se a mulher tomar medicamentos, deve contá-lo ao médico, pois alguns fármacos devem ser mantidos» sob supervisão médica.

«Se a mulher tem diabetes e toma insulina, terá de continuar a fazê-lo e, talvez, até aumentar a dosagem. No caso da doença renal, também há que confirmar se a patologia está estabilizada. Alguns medicamentos têm de ser reforçados, outros trocados por fármacos semelhantes e alguns interrompidos», explica Alexandre Lourenço.

– Se está a ser medicada
«Mesmo que seja uma mulher saudável, sem doença crónica, é importante falar com o médico sobre a medicação que está a tomar. Há medicamentos que representam um perigo para o bebé e outros que interferem na fertilidade. Por exemplo, os fármacos para a acne são teratogénicos, provocam malformações fetais; e os medicamentos para a depressão podem inibir a ovulação.»

Última revisão: Janeiro 2018

artigos recomendados

Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this