facebook-icon facebook-icon instagram-icon instagram-icon

O que afeta a fertilidade?

De que forma alguns fatores podem afetar a fertilidade e qual o momento ideal para engravidar.

A fertilidade é, muitas vezes, alvo de mitos e de teorias que é importante esclarecer. Se está a pensar em ser mãe, saiba o que é verdade e quais os hábitos de vida que podem comprometer a capacidade de engravidar.

  • PorFátima Lopes CardosoJornalista

A Organização Mundial da Saúde considera que existe um quadro de infertilidade ao fim de um ano de relações sexuais sem contraceção quando não ocorre uma gravidez. No caso das mulheres com mais de 35 anos, pode iniciar-se a investigação clínica logo após os 6 meses. Por problemas do elemento feminino ou masculino, ou de ambos, estima-se que entre 10 e 15 por cento dos casais em todo o mundo tenham dificuldade em cumprir o desejo de serem pais. Se receia pertencer a esta minoria, este artigo é para si. Caso a caso, Alexandre Lourenço, médico ginecologista e obstetra, esclarece à Revista Prevenir de que forma cada um dos fatores que preocupam as mulheres afetam a probabilidade de ser mãe, quais os cuidados a ter antes da conceção e qual o momento certo para engravidar.

“O meu período é irregular”

«Esta situação pode afetar a fertilidade de duas formas. Nos meses em que a ovulação não ocorre, não existe, de todo, fertilidade. Nos meses em que há ovulação, como esta é irregular, é muito difícil calcular se as relações sexuais estão a ocorrer dentro do período fértil.»

  • O que fazer
    «Se é relativamente irregular, os testes de ovulação, realizados uma semana a dez dias da data prevista para o período fértil, podem indicar quando é a altura em que a ovulação ocorre. No entanto, se o seu período é muito irregular, o teste teria de ser feito todos os dias durante seis meses, o que, além de nada prático, implicaria custos proibitivos. Para estes casos existem formas medicamentosas para promover a ovulação e controlá-la para dias certos. Fale com o seu médico.»

“Tomo a pílula há 20 anos”

«Os anticoncetivos orais impedem a ovulação e colocam o ovário num estado de quase “hibernação”. Na ausência de ovulação, não se esgotam mais folículos, logo, não há uma interferência direta da pílula no processo e na capacidade de ser fértil. As mulheres que tomam a pílula e interrompem a toma para engravidar têm uma fertilidade comum à sua idade.»

  • Tem de saber
    «A fertilidade diminui com a idade, começando a cair rapidamente a partir dos 35 anos e muito abruptamente a partir dos 40. Se uma mulher começou a tomar a pílula com 20 anos e deixa de a tomar aos 40, os problemas que ocorrem após longas tomas de pílula não têm que ver com a pílula mas com a idade.»

“Tenho 40 anos”

«No início da idade fértil, a probabilidade de a mulher engravidar ao fim de um mês de relações sexuais desprotegidas é à volta de dez por cento. Ao fim de seis meses, é de 50 a 60 por cento; e, ao fim de um ano, 80 a 90 por cento das mulheres conseguem engravidar. Com a idade, a capacidade de engravidar vai diminuindo um ou dois por cento em cada ano e, chegando aos 42, começa a cair abruptamente. De uma maneira que a probabilidade de engravidar ao fim de seis meses é de apenas 20 por cento ou menos. Quanto maior for a idade, mais fatores se juntam e maior hipótese existe de haver miomas, alteração dos ovários, das trompas. Todos estes fatores contribuem para a infertilidade.»

«Nas grandes fumadoras, a taxa de fertilidade ao fim de um ano diminui tanto quanto maior for a quantidade de cigarros consumidos»

  • O especialista aconselha
    «Se tem mais de 40 anos e quer engravidar, procure acompanhamento de um médico especialista em fertilidade. Os diagnósticos e os tratamentos têm de ser mais rápidos e agressivos. Enquanto numa mulher de 30 anos, podemos esperar seis meses, aos 40 anos, não temos esse tempo. Há que atuar e investigar mais cedo.»

“Tenho distúrbios da tiroide”

«Os distúrbios da tiroide são fatores importantes na fertilidade. No caso das mulheres com hipotiroidismo, esta disfunção está, muitas vezes, ligada a obesidade e à dificuldade de ovular. O hipotiroidismo tem de ser compensado. E no hipertiroidismo, quando este tipo de disfunção dá sintomas, também há mulheres que têm distúrbios menstruais normalmente com hemorragias anómalas e também não conseguem engravidar.»

  • Tem de saber
    «Os distúrbios da tiroide ligeiros não interferem com a fertilidade, mas os graves ou moderados, sim. Estes problemas devem de ser compensados para permitir uma boa fertilidade. Fale com o seu médico.»

“Sou fumadora e tenho uma vida stressante”

«Tanto o stresse como o tabaco são fatores associados que não tendo um mecanismo bem identificado com a diminuição de fertilidade, têm expressão nos estudos epidemiológicos os quais mostram existir uma relação estatística. Nas grandes fumadoras, a taxa de fertilidade ao fim de um ano diminui tanto quanto maior for a quantidade de cigarros consumidos. Não conhecemos um mecanismo único e específico desta interferência em relação à fertilidade. Mas sabemos que alguns componentes do tabaco diminuem, por exemplo no homem, a mobilidade dos espermatozoides e dos cílios das trompas de Falópio na mulher.»


  • O especialista aconselha
    «É importante deixar de fumar e tentar evitar situações de stresse, não só por uma questão da fertilidade, mas de saúde geral. Para educar a criança, é fundamental dar bons exemplos. E estar calmo é essencial no processo de educação.»

“Tenho uma infeção pélvica”

«A infeção pélvica das trompas, do colo do útero e do útero pode interferir com a fertilidade. Por vezes, estas infeções têm que ver com a existência de vários parceiros, uma atividade sexual que promove a infeção e pode afetar a fertilidade a longo prazo. Nos países nórdicos e de Leste, a clamídia é muito frequente e nem sempre dá queixas. Muitas destas mulheres começam por ter as trompas obstruídas e isto só é detetado quando começam a fazer tratamentos de fertilidade.»

  • O que fazer
    «Antes de avançar com a gravidez, deve tratar as infeções pélvicas.»

“Faço muito exercício físico”

«Fazer exercício físico de manutenção, como ir três vezes por semana ao ginásio durante uma hora, não interfere com a probabilidade de engravidar. Este problema só acontece quando se pratica desporto várias horas por dia com regularidade, nomeadamente em atletas de alta competição, que por vezes estão seis ou sete meses sem ovular.»

  • Tem de saber
    «Para quem não é atleta de alta competição, o exercício físico só interfere com a fertilidade quando a prática desportiva se torna uma obsessão.»

“Tenho peso a mais”

«Mulheres com um índice de massa corporal superior a 30 têm a sua capacidade de engravidar diminuída por consequência de problemas ovulatórios. Estes são provocados não só pelo excesso de peso, mas também por outros fatores a ele associados.»

«Mulheres com um índice de massa corporal superior a 30 têm a sua capacidade de engravidar diminuída»

  • O que fazer
    «A perda de peso aumenta a probabilidade de voltar a ter ovulações normais e de engravidar», refere Alexandre Lourenço. Contudo, essa perda tem de ser significativa: «Uma mulher que tenha 100 quilos deve passar a ter 70 ou 80 para que os ciclos se tornem regulares e a probabilidade de engravidar seja maior», esclarece.
Última revisão: Novembro 2017

artigos recomendados

Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this