7 formas de ser mais feliz no trabalho

7 formas de ser mais feliz no trabalho

Se mudar de emprego não é uma opção, ponha em prática estas estratégias para ser mais feliz no trabalho que tem.

  • PorRita AlvesJornalista

  • ColaboraçãoOliver RöhrichFormador e executive coachdocente do INDEG/ISCTE

«Cerca de 50 por cento do tempo que passamos acordados é passado no trabalho» e, por isso, é essencial que nos sintamos bem: «alguém que não está feliz durante as oito horas diárias que passa no trabalho sentirá um impacto na sua felicidade também fora dele», explica Oliver Röhrich, coach na área da liderança, à Revista Prevenir. No entanto, ninguém é feliz a toda a hora e é frequente sentirmo-nos desmotivados porque achamos que não ganhamos o suficiente, que passamos demasiado tempo no escritório ou até porque não nos damos bem com os nossos colegas.

«É possível encontrar algo de bom, mesmo num trabalho aborrecido»

Quando procurar um novo trabalho não é uma opção a considerar (por exemplo, porque reconhece que não encontrará condições tão boas como as que tem atualmente ou porque simplesmente não quer), «é possível encontrar algo de bom, mesmo num trabalho aborrecido», explica Oliver Röhrich, que lhe dá estratégias para, da melhor forma, agir perante cada situação.

“Gostava de fazer algo diferente”

Por muito que se sinta bem no seu trabalho, fazer a mesma coisa todos os dias poderá tornar-se monótono e, segundo Oliver Röhrich, «é normal querermos mudar de vez em quando ou fazer algo diferente».
O que fazer «Cada chefe é diferente e nem todos têm a mesma abertura. Se têm um bom relacionamento, poderá explicar-lhe que gostaria de trocar algumas das suas funções atuais. Não terá necessariamente de ser uma nova posição ou cargo», explica o coach.
Nunca diga isto “Odeio o que faço”. «Ao falar com o nosso chefe, não devemos ser demasiado negativos», esclarece.

“Quero ganhar mais”

Pedir um aumento de ordenado ao chefe é frequentemente um fator causador de ansiedade. Para evitar constrangimentos, a melhor forma de o fazer é demonstrando que o merece.
O que fazer «Faça um resumo de todas as atividades extras que desempenhou no seu trabalho nos últimos três meses e que considera uma mais-valia para a empresa. Depois, peça uma reunião com o seu chefe, fale sobre essas atividades e relembre-o do seu historial de aumentos. Por fim, num tom de confiança, peça um aumento realista, dizendo uma percentagem adequada à situação atual da empresa», aconselha Oliver Röhrich.
Nunca diga isto “A empresa deve-me…” «Ao fazê-lo, coloca um sentimento negativo na conversa. Foque-se antes no positivo, ou seja, o valor que acrescenta na empresa», sugere.

“O meu trabalho é muito stressante”

Multitasking, ter demasiadas tarefas para cumprir no horário de trabalho ou ter demasiada responsabilidade são apenas alguns dos fatores que poderão contribuir para que, especialmente a longo prazo, o seu trabalho se torne desgastante.
O que fazer «Analise o que poderá estar, em concreto, na origem do stresse que sente: será o tipo de tarefas que desempenha? Ou poderá estar relacionado com o seu modo de trabalho e organização? Poderá também avaliar que colegas seus estão com a mesma carga de trabalho, mas não sentem o mesmo nível de stresse e pedir-lhes conselhos, percebendo o que estão a fazer de diferente», sugere Oliver Röhrich.

“Trabalho demasiadas horas”

Todos os trabalhos têm momentos mais exigentes, que requerem um esforço da nossa parte no que toca a fazer algumas horas extraordinárias. No entanto, isto pode tornar-se um problema quando é um hábito recorrente e perturba o nosso dia a dia, especialmente fora do trabalho.
O que fazer «Numa tabela, contabilize todas as horas extraordinárias que fez nos últimos três meses. Depois, explique ao seu chefe o motivo por que tem feito tantas horas extras e demonstre o impacto que estas têm tido na sua vida.» Contudo, não negue a possibilidade de fazer horas extraordinárias; «disponibilize-se para fazê-lo, dentro de certos limites estabelecidos por si», recomenda Oliver Röhrich.
Nunca diga isto “A minha vida é só trabalho.” «Evite queixar-se de forma exagerada, criando antes a impressão de alguém que tem o controlo da sua vida», explica o especialista.

“Há mau ambiente no escritório”

Se o trabalho é a nossa segunda casa, os colegas são a nossa segunda família e, por isso, é essencial que haja uma boa relação e entreajuda entre todos. Quando esse equilíbrio é comprometido, é importante restabelecê-lo.
Quando o problema é o chefe Antes de falar com ele, «foque-se nos factos (refletindo, por exemplo, sobre uma situação concreta e o impacto que teve em si) e não no mau relacionamento que tem com ele. Em caso extremo, poderá tentar uma conversa aberta e construtiva com o seu chefe» para tentar solucionar aquilo que poderá estar na origem desse relacionamento turbulento, aconselha Oliver Röhrich.

«Se se sente em baixo e desmotivado há mais de três meses, é altura de fazer uma mudança»

Quando o problema são os colegas «Antes de mais, tente compreender o que causou o mau relacionamento», recomenda. Depois, no dia a dia, «evite utilizar palavras ou ter ações que possam provocar conflitos e, por fim, tente conversar abertamente sobre essa situação com a outra pessoa.»
O que nunca deve fazer Segundo o especialista, «um dos principais erros cometidos é culpabilizar os outros», não assumindo quota-parte da responsabilidade.

“Não vejo possibilidade de progressão”

Sentir que estagnámos no trabalho ou que a empresa parou de evoluir poderá fazer com que deixemos de ter vontade de acompanhar o projeto e de ajudá-lo a crescer. No entanto, esse não é necessariamente um motivo para que vá procurar outro emprego.

O que fazer «Fale com o seu chefe e peça-lhe que lhe explique a visão da empresa e quais os objetivos e direções em que a empresa irá ou poderá evoluir nos anos seguintes». Se, mesmo assim, não se sentir motivado, poderá «perguntar ao seu chefe se existem outras oportunidades dentro da empresa», aconselha o especialista.

“O meu trabalho não é reconhecido”

Sente que dá o seu melhor – chega a horas, cumpre prazos, desempenha todas as tarefas propostas – e, mesmo assim, o seu chefe ou colegas não reconhecem o seu valor? Embora este seja um sentimento válido, o segredo para superar esta situação poderá estar em si mesma.
O que fazer Mude de atitude: «O mais importante é reconhecer-se a si próprio. Por isso, desenvolva esse hábito», valorizando aquilo que faz de positivo, «e a sua felicidade aumentará», explica o coach. Por outro lado, «por vezes, basta falar com o seu chefe, explicando o que sente e dando exemplos de situações em concreto.»


Não está à procura de outro trabalho?
Vá a entrevistas na mesma

Mesmo no caso de quem não está a pensar mudar de emprego, ir a entrevistas tem benefícios e, por isso, «nunca deveria deixar de fazê-lo, conhecendo novas oportunidades». Oliver Röhrich, coach na área da liderança, destaca algumas das vantagens:

  • Falar e conhecer novas empresas permite-nos conhecer o seu modo de funcionamento e coisas que poderíamos ter na nossa própria empresa.
  • Ajuda-nos a conhecer o nosso valor de mercado.
  • É bom para continuamente fazer novos contactos profissionais; o pior momento para fazê-lo é quando se está no desemprego.

{ O coach ensina }

Aumente o bem-estar no trabalho… fora dele

Há hábitos que poderá adotar fora do escritório que o ajudarão a aumentar a boa disposição dentro do horário laboral. «Além da prática de exercício físico, recomendo vivamente que frequente atividades que exijam alguma responsabilidade – que permitam reconhecimento e momentos de sucesso fora do trabalho -, aderindo a grupos que tenham alguma temática do seu interesse.
Solução digital A aplicação Meetup ajuda-o a encontrar grupos com interesses em comum, permitindo aprender coisas novas e conhecer novas oportunidades.


SOS
Quando deve (mesmo) procurar outro emprego

Embora todas as pessoas se sintam desmotivadas de vez em quando, há um sinal de alarme em especial a que deve estar atenta: «Se se sente em baixo e desmotivado há mais de três meses, é altura de fazer uma mudança – ou procurar um novo trabalho, ou mudar algo no seu emprego, ou avaliar a possibilidade de ocupar uma nova posição dentro da empresa», aconselha Oliver Röhrich, coach na área da liderança.

Última revisão: Janeiro 2018

artigos recomendados

Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this