Por que tem queda de cabelo?

Conheça as causas da sua queda de cabelo e o que pode fazer para a atenuar

São várias as causas que estão na origem da queda de cabelo: carga genética, alterações hormonais e estilo de vida. Identifique o seu caso e esclareça todas as suas dúvidas, para descobrir o que deve mesmo fazer.

  • PorSofia Santos CardosoJornalista

  • ColaboraçãoDr. Rui Oliveira SoaresMédico dermatologista

Na maioria dos casos, a queda de cabelo é uma situação passageira e não significa mais do que um processo natural fisiológico do organismo. Na verdade, os cabelos caem para darem lugar a novos fios que estão a crescer. Ainda assim, há casos em que a perda de cabelo pode ter na sua origem uma causa genética que deve ser despistada o mais cedo possível. Se a origem estiver nas alterações hormonais ou no estilo de vida, há também cuidados essenciais que não deve descurar. Dúvida a dúvida, o médico dermatologista Rui Oliveira Soares explica à Revista Prevenir o que deve fazer para manter o seu cabelo forte e saudável.

“Os meus pais têm queda de cabelo. Herdei este problema?”

«Esta é a causa mais frequente de perda de cabelo na mulher. Chama-se “alopecia androgenética” e é determinada geneticamente», afirma o dermatologista Rui Oliveira Soares, coordenador da Unidade do Cabelo do Centro de Dermatologia do Hospital CUF Descobertas. «Incide, sobretudo, na parte de cima do couro cabeludo, afetando menos as áreas de trás e de lado. Esta manifestação díspar deve-se à presença de diferentes recetores hormonais nos folículos pilosos dessas zonas. São precisamente estes recetores que podemos herdar de forma favorável ou desfavorável», explica o especialista. Este tipo de alopecia hereditária surge geralmente entre os 30 e os 40 anos. No entanto, «quando a carga genética é grande (quando ambos os pais têm alopecia), poderá surgir logo na puberdade. Noutros casos, poderá aparecer só depois da menopausa».

  • O que fazer
    Quando a mãe e/ou o pai têm alopecia, os filhos devem consultar um especialista o mais cedo possível, idealmente ainda na adolescência. É feita uma tricoscopia, um exame simples e indolor que permite detetar o risco de desenvolver alopecia. Através desta técnica, o dermatologista consegue detetar manifestações iniciais da doença que não são visíveis a ‘olho nu’”. A aplicação do medicamento minoxidil no couro cabeludo é o método de tratamento mais eficaz.

    A alopecia hereditária surge geralmente entre os 30 e os 40 anos

    Outra alternativa é o transplante capilar. É uma técnica que «consiste em remover cabelos das áreas não afetadas (de lado e atrás). Posteriormente, eles são implantados na área onde existe queda. Implanta-se cabelo a cabelo, permitindo uma aparência natural. Nos homens, podem ser necessárias até três sessões. Mas nas mulheres, basta uma única sessão (em cinco horas, são transplantados 1500 cabelos)», revela o especialista.

“No outono cai mais cabelo?”

«Cerca de 70 por cento das pessoas têm uma queda de cabelo sazonal», começa por alertar Rui Oliveira Soares. O “fenómeno” chama-se “deflúvio telogénico”. «Corresponde a um aumento do número de cabelos que estão na fase final do ciclo capilar e é influenciado por alterações endócrinas que decorrem da exposição à luz solar», esclarece. A altura do ano em que esta queda ocorre é variável, segundo o especialista. «Em alguns casos, acontece no pico do verão, noutros já ocorre no outono.»


  • O que fazer
    Esta queda de cabelo é “um fenómeno natural” e resulta de um processo de substituição (os cabelos que caem são logo substituídos por outros). «O mais importante é certificarmo-nos de que não estamos a ficar com menos cabelo a longo prazo. O sinal de alarme mais comum é a perda de densidade capilar junto ao couro cabeludo», alerta o especialista. Na maioria destes casos, não é preciso intervir. No entanto, quando a queda é muito intensa, pode ser atenuada através da utilização de loções específicas, champôs “volumizantes” e suplementos alimentares.

“A culpa pode ser das hormonas?”

«A maioria das pessoas com perda de cabelo apresenta níveis hormonais normais», refere o médico dermatologista. No entanto, em fases específicas da vida da mulher, podem surgir alterações hormonais que poderão provocar queda de cabelo. «A interrupção da pílula contracetiva precipita uma queda de cabelo temporária que pode estender-se até aos seis meses. Também no início da menopausa há uma descida nos níveis de estrogénios que pode acelerar a calvície comum», refere o especialista à Revista Prevenir.

  • O que fazer
    É importante perceber se a queda de cabelo é realmente temporária ou se reflete uma alopecia de origem genética. Nalguns casos, esta só se manifesta quando a mulher interrompe a pílula ou quando atinge a menopausa. «Se for uma queda temporária, as loções e champôs “antiqueda” podem ajudar a desacelerar a perda de cabelo. Sobretudo se forem combinadas com suplementos alimentares. Os medicamentos antiandrogénicos e o minoxidil podem minorar a perda de cabelo geneticamente determinada», explica Rui Oliveira Soares. Esta avaliação deverá ser feita por um dermatologista, através de um exame – o fototricograma – que mede o diâmetro e a velocidade de crescimento do cabelo e permite identificar o tipo de queda.

“Tive um bebé e estou a perder cabelo. É normal?”

«Durante a gravidez, a maioria dos folículos pilosos permanece na sua fase proliferativa e não entra na fase final do ciclo, o que faz com que a queda seja menor do que a habitual. Depois do parto, muitos cabelos entram ao mesmo tempo na fase final do ciclo. Tal determina uma queda massiva passados três a quatro meses, muito parecida à queda sazonal que ocorre no verão ou no outono», explica o especialista à Revista Prevenir.

  • O que fazer
    Na maioria dos casos, esta queda de cabelo é temporária e não precisa de tratamento. «Se a queda de cabelo for muito intensa e comprometer a imagem e o bem-estar da mulher, a aplicação das loções e champôs “antiqueda” associada à suplementação alimentar, após o parto, pode ajudar a reduzir a queda», indica o dermatologista.

“Fazer dieta provoca queda de cabelo?”

«As dietas desequilibradas são uma causa frequente de queda de cabelo, dando origem a um fenómeno semelhante à queda sazonal ou à queda que ocorre depois do parto», alerta Rui Oliveira Soares.

«As dietas desequilibradas são uma causa frequente de queda de cabelo»

  • O que fazer
    «Se fizer uma alimentação equilibrada na qual estejam sempre presentes fontes dos diferentes grupos alimentares, estará a assegurar as doses mínimas dos nutrientes essenciais», para o organismo em geral. Nutrientes como o ferro, o zinco, a biotina, também conhecida por vitamina B7, e a cistina são os nutrientes mais importantes para manter um cabelo forte e saudável. Quando existem carências nutricionais (a de ferro é a mais comum), «o recurso à suplementação alimentar é importante», recomenda ainda o dermatologista.
Última revisão: Outubro 2017

artigos recomendados

Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this