É possível eliminar a caspa?

Saiba se é ou não possível eliminar a caspa

A dermatologista Manuela Cochito explica o que é e como surge, as suas consequências e se é possível eliminar a caspa.

  • PorCarlos Eugénio AugustoJornalista

  • Entrevista aDra. Manuela CochitoMédica dermatologista

A renovação natural das células do couro cabeludo acontece a cada duas semanas. Esse processo, que permite eliminar as células mais antigas sob a forma de minúsculas e invisíveis escamas, é normal. Mas quando é estimulado, graças a várias condicionantes, formam-se películas de células mortas e surgem os primeiros sinais, nomeadamente comichão, vermelhidão e uma espécie de “flocos de neve” espalhados pelos ombros: a caspa. Trata-se de um problema capilar que atinge a maioria das pessoas, raramente grave e de tratamento acessível.

O seu termo médico é dermatite seborreica e traduz-se «numa reação da pele à gordura por ela produzida que, depois, é degradada pelas leveduras normais e transformada em ácidos gordos. Em pessoas geneticamente predispostas, esses ácidos gordos originam uma reação inflamatória em determinadas zonas, nomeadamente o couro cabeludo», esclarece Manuela Cochito, médica dermatologista. Em entrevista à Revista Prevenir, a especialista esclarece as causas, as consequências e especificidades, métodos de controlo e estratégias que podem minimizar os seus efeitos. Indicando ainda se, afinal, é ou não possível eliminar a caspa.

Quais são as principais causas da caspa?

Essencialmente, deve-se a fatores genéticos e a outras questões externas que, de alguma forma, estimulam a ação das glândulas sebáceas, como o stresse, a toma de alguns medicamentos ou certas doenças. Ao trabalhar mais, essas glândulas produzem maior quantidade de ácidos gordos que provocam inflamação e escamação da pele.

A caspa pode ser sinal de alarme do estado de saúde?

Somente em casos extremos, que são raríssimos. Algumas dermatites seborreicas muito graves podem indiciar a existência de, por exemplo, SIDA ou doenças neurológicas. No entanto, em 99,9 por cento dos casos, a dermatite seborreica é muito banal. Aquilo que convém registar é que é mesmo necessário consultar um dermatologista se a caspa for muito resistente.

Existem vários tipos de caspa?

Sim, embora a mais frequente seja a dermatite seborreica, que pode ser mais ou menos oleosa. Existem outras formas mais graves. É o caso da psoríase e de outras doenças, que se traduzem por películas mais agarradas ao couro cabeludo, esbranquiçadas, mas que, numa fase inicial, podem ser confundidas com uma dermatite seborreica normal.

«Em 99,9 por cento dos casos, a dermatite seborreica é muito banal. Aquilo que convém registar é que é mesmo necessário consultar um dermatologista se a caspa for muito resistente»

Também os eczemas de contacto, que resultam de reações, por exemplo, a tintas, podem ser confundidos com caspa.

A caspa é hereditária?

Na base deste problema está o fator genético, embora isso não seja linear, pois trata-se de um processo multifatorial, cujas influências externas são muito importantes. Mas, sim, existem famílias em que a dermatite seborreica é claramente mais frequente.

É uma doença contagiosa?

Não.

O tipo de cabelo influencia o seu aparecimento?

Podemos associar a dermatite seborreica a cabelos oleosos. Existe também a chamada “caspa seca”, em casos de couros cabeludos não tão oleosos, mas, nessas situações, podem existir outros fatores como eczemas atópicos ou alérgicos.

A instabilidade emocional favorece o aparecimento de caspa?

Sim. Sempre que o organismo está sob stresse ou sob o efeito de cansaço exagerado, produz uma hormona derivada da testosterona (ou outros androgénios) que é responsável pelo estímulo das glândulas sebáceas.

Produtos inadequados ao tipo de cabelo provocam caspa?

Nesses casos, não se trata efetivamente de caspa, mas sim de uma descamação do couro cabeludo, causada por um processo inflamatório, que pode, por exemplo, ter sido provocada por um eczema de contacto, no caso de champôs mais agressivos, alergias às tintas do cabelo ou consequência de eczemas atópicos, que têm envolvimento do couro cabeludo.


E a utilização sistemática de produtos de styling?

A esmagadora maioria dos produtos de styling não está em contacto direto com o couro cabeludo, mas antes com o cabelo em si. Por outro lado, o limiar de irritação a esses produtos é muito variável. Ainda assim, no caso de maior sensibilidade, pode desencadear-se uma reação a estes produtos, principalmente devido a alergias a alguns dos seus componentes.

Pessoas com caspa podem fazer máscaras capilares?

Sim, desde que seja adaptado ao tipo de cabelo. E que tenham o cuidado de evitar aplicar o produto diretamente no couro cabeludo ou raiz, porque já é demasiado oleoso.

Que substâncias ativas devem ser evitadas?

Nenhuma em especial, exceto no caso das que provocam alergias.

Quais as consequências de usar um champô inadequado ao tipo de cabelo?

Uma irritação do couro cabeludo. Mas caso essa utilização origine, por exemplo, um eczema irritativo, a causa será uma dermatite irritativa e isso não é aquilo a que, por definição, se chama caspa, ainda que a olho nu se assemelhe. Isso acontece porque o couro cabeludo está a descamar, pois a pele ficou irritada devido ao contacto com uma substância agressiva. Para resolver a questão, pode apenas ser suficiente mudar de champô, embora em alguns casos possa ser necessário o dermatologista recomendar uma terapêutica específica.

Champôs anticaspa diminuem a população de leveduras, evitando a formação dos ácidos gordos que irritam a pele

Em que casos se justifica procurar um dermatologista?

Se depois de usar um vulgar champô anticaspa não vir resultados e continuar com comichão no couro cabeludo e produção de descamação, deve consultar um dermatologista para perceber qual é o tipo de caspa, se é mesmo caspa ou outra doença que simule a caspa, e passar a fazer uma terapêutica mais dirigida.

Que tipos de tratamentos existem em consultório?

Cada caso tem um tratamento específico, quer seja tópico (aplicação de substâncias) ou sistémico (ingestão de medicamentos), de acordo com o que for diagnosticado. Em princípio, nas situações mais comuns, em duas semanas, consegue controlar-se, mas não eliminar a caspa. Até os casos mais graves são controláveis. No caso de psoríase, eczemas de contacto, eczemas atópicos ou princípios seborreicos, a terapêutica tende a ser mais demorada.

Eliminar a caspa definitivamente é possível?

A caspa não tem cura, apenas tratamento, controlo. A tal tendência para fazer a descamação aos ácidos gordos mantém-se ao longo de toda a vida.

A caspa afeta mais os homens do que as mulheres?

Sim, pois os homens têm mais glândulas sebáceas e testosterona, uma hormona que estimula o processo de aparecimento de caspa. Normalmente, a pele e o couro cabeludo dos homens são mais oleosos, logo são mais atreitos à dermatite seborreica.

Há diferenças entre as características da caspa de mulheres e homens?

Não. A única questão é que os homens têm mais glândulas sebáceas e isso torna a dermatite seborreica mais “teimosa”.

As alterações hormonais, no caso das mulheres, podem estar na origem da caspa?

Ainda que não exista uma relação causa/efeito, essas alterações podem dar origem ao aparecimento de caspa. Ainda assim, o aumento de progesterona pode, eventualmente, fazer crescer a produção de sebo, mas não é algo muito notório. As mulheres não notam, por isso têm caspa ciclicamente.

Os champôs para eliminar a caspa resultam?

São um precioso aliado. Para a caspa aparecer, tem de existir uma determinada degradação do sebo para formar os ácidos gordos. E isso acontece por via das leveduras que existem e são normais na pele. O que os champôs anticaspa fazem é diminuir a população dessas leveduras, evitando a formação dos tais ácidos gordos que irritam a pele.

O que ter em conta no momento de escolher um champô anticaspa?

Normalmente, os champôs anticaspa recomendados têm piritionato de zinco e cetoconazol, que diminuem a população das leveduras a nível da pele, ou acetato de amónio, que tem um efeito calmante e peeling do couro cabeludo. O ideal é usar um produto com estes fatores ou, de preferência, com dois ou mais associados.

Os champôs para eliminar a caspa podem ser utilizados todos os dias?

A boa utilização do champô depende da sua composição. Se é um champô que tem concentrações altas, deve ser alternado com outro cuja composição seja neutra. Se tem concentrações baixas, pode ser usado diariamente. A sua utilização também depende do número de lavagens.

Última revisão: Março 2016

artigos recomendados

Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this